6 passos simples para escrever bem e lapidar o texto

6

Escrever é uma maratona. Entretanto, para escrever bem, é preciso muito mais do que correr os dedos pelo teclado ou sujar as mãos de tinta diariamente. Ler, reler, descansar, reescrever, revisar e editar também são tarefas que um bom escritor deve desenvolver para lapidar o texto.

Nesse artigo, farei um passo a passo infalível para você organizar seu processo criativo e começar a produzir textos de qualidade.

Escreva sem julgamentos

Chegou o momento tão esperado de escrever, então escreva! Escreva sem pensar no amanhã, na autocrítica, nos julgamentos, no motivo pelo qual você está fazendo. Apenas escreva. Deixe rolar. Sinta o prazer de libertar as palavras da sua mente, de colocar as suas ideias no papel.

Algumas vezes, você se perguntará: Mas e seu eu já for corrigindo enquanto escrevo? Vou economizar muito tempo!. E é verdade. É bem mais simples, prático e objetivo fazer isso. Sentar e escrever o texto perfeito. Pode até funcionar em alguns casos.

No entanto, se o seu objetivo é escrever bem, não se deixe enganar. Escreva tudo o que vier primeiro e depois jogue o lixo fora. Imagine que o seu texto é um carvão e você terá que lapidá-lo até transformá-lo em diamante.

Deixe o texto dormir (e descanse)

Terminada a escrita primeira, é hora de deixar o texto dormir. Não importa se você escreveu 100 ou 10 mil palavras, desligue sua mente do que acabou de produzir. Levante-se, coma algo, veja alguma besteira na internet… Deixe a vida acontecer.

Assim como escrever, é preciso praticar muito para aprender a se corrigir sem medo.

Quanto tempo esperar, aí depende do projeto. Se é um job, muitas vezes o prazo é tão apertado que não temos tempo de esperar. Mas meros 10 minutos entre a escrita e a primeira leitura podem ser milagrosos.

O ideal, principalmente quando se trata de uma história longa, é que o texto durma por semanas. Não se acanhe, apenas espere tempo suficiente até esquecer o que produziu. Vai, não seja ansioso, eu sei que você consegue.

Releia e reorganize suas ideias

É hora de lapidar o texto. Releia o que escreveu quantas vezes for necessário e vá limando (literalmente) exageros, incoerências, erros gramaticais, de digitação, etc. Não há vergonha nisso. Engana-se quem acredita que escrever bem é resolver os problemas logo de cara. Escrever bem é, de fato, saber que você pode sempre aprimorar a sua técnica.

O objetivo dessa fase é tentar desprender-se da figura de autor do texto e transformar-se em seu leitor crítico. O que posso mudar para melhorar o texto? Compreendi a ideia central que está sendo demonstrada? A narrativa faz sentido?

Tenha sempre um beta reader por perto

Procure outras mentes brilhantes e de confiança para compartilhar seus textos. Pessoas que possam opinar e contribuir para o trabalho de alguma forma. Eles serão seus primeiros leitores e poderão te dar uma nova perspectiva do que você acaba de criar.

Porém, é preciso ouvir as opiniões não como meras críticas ou elogios, mas sim como possibilidades do texto. Não se deixe levar a nenhum extremo, pondere e utilize as ideias para melhorar o seu trabalho, sempre.

Revise como se não houvesse amanhã

Reescrita e revisão são dois processos diferentes. Um texto coerente (que faça sentido) pode não ser coeso (bem estruturado), e vice-versa. Enquanto buscamos melhorar a coerência textual na reescrita, na revisão buscamos corrigir falhas na coesão e na gramática do texto.

Revisar é o que define bons escritores, já que um texto livre de erros gramaticais, repetição de palavras e limpo de exageros gera muito mais confiança no leitor. E, assim como escrever, é preciso praticar muito para aprender a se corrigir sem medo.

Espere alguns dias, o tempo que for necessário, e analise os resultados. O que você aprendeu com o processo? O que poderá melhorar para a próxima vez? Reflita, mesmo que informalmente, sobre a sua caminhada.

Coloque seu texto no mundo e saiba ouvir críticas

De nada vale todo o trabalho de escrever e lapidar o texto se não há leitores. Há quem acredite no contrário, mas não eu. Aprendi muito mais publicando do que guardando minhas palavras no fundo da gaveta. Para mim, o escritor existe para ser lido.

Procure um espaço para expor os seus textos, não importa qual. Pode ser físico, como o mural da escola, do dentista (já utilizei ambos), da faculdade, do trabalho, o jornal do bairro, onde der. Seja lido e receba os feedbacks com humildade.

Claro, hoje temos a internet a nosso favor. É muito fácil publicar seus textos e encontrar seus leitores – muitos deles deixam comentários, eu adoro! Crie uma conta no WordPress (amo!), Blogger ou até mesmo no Medium. Escolha sua plataforma preferida e mãos à obra!

Recarregue as baterias e recomece

Trabalho concluído, é hora de descansar. Vá até a panificadora, compre seu doce preferido (meu plano para logo mais), observe o entardecer, converse com sua família (alguém deve estar sentindo a sua falta, você só fica aí escrevendo!).

Espere alguns dias, o tempo que for necessário, e analise os resultados. O que você aprendeu com o processo? O que poderá melhorar para a próxima vez? Reflita, mesmo que informalmente, sobre a sua caminhada.

Escrever bem e lapidar o texto é um ciclo com início, meio e fim, que consiste em:

  • Escrever, colocar a ideias no papel;
  • Desligar-se da primeira versão do texto;
  • Reler com uma visão crítica;
  • Ter leitores confiáveis do texto inacabado, caso seja possível;
  • Revisar minuciosamente o trabalho;
  • Publicar e conquistar leitores.

E então, está pronto para começar a sua jornada no mundo da escrita? Liberte de uma vez todas as aventuras e ideias que rondam a sua mente e comece a escrever!

Escreva mais e melhor com a Caixa de Ideias do site Oficina de Escrita

Sobre o autor

Mylle Silva

Escritora desde que se conhece por gente, vive um conflito eterno com as histórias e ideias que insistem em habitar sua mente. Publicou o livro de contos A Sala de Banho (2014), e as HQs A Samurai (2015) e A Samurai: Yorimichi (2016).

Deixe o seu comentário

Deixe uma reflexão

Mylle Silva

Escritora desde que se conhece por gente, vive um conflito eterno com as histórias e ideias que insistem em habitar sua mente. Publicou o livro de contos A Sala de Banho (2014), e as HQs A Samurai (2015) e A Samurai: Yorimichi (2016).